Painel sobre inteligência artificial na educação encerra primeiro dia da Jornada da Integração

By in
Painel sobre inteligência artificial na educação encerra primeiro dia da Jornada da Integração

Definição do que é inteligência humana é questão chave para o debate sobre possibilidade de máquinas pensarem.

O dilema sobre inteligência artificial e máquinas executando funções antes exclusivamente realizadas por humanos chegou à sala de aula. Com o tema “Será que as máquinas podem pensar? Pode a inteligência artificial substituir a figura do professor?”, o painel da área de Ciências Humanas encerrou a programação da IV Jornada de Integração do Ifes nesta segunda-feira (30).

Com mediação do professor Lauro Sá, do Ifes, os professores de Filosofia Filicio Mulinari, do Ifes, e Maurício Abdalla, da Ufes, trouxeram pontos de reflexão sobre o pensamento humano e a possibilidade das máquinas pensarem. Filicio destacou que a discussão é antiga e tornou-se forte na ciência no século passado, inclusive na cultura pop. “É um problema que nasce na filosofia, perpassa a ciência e todos têm algum contato com a questão”, complementa. 

O professor explicou que há duas correntes em relação à inteligência artificial (IA). A IA forte, que defende que humanos e máquinas operam de modelo muito semelhante, sendo indiferenciáveis. Para a IA fraca, as máquinas apenas simulam comportamentos humanos, mas não replicam esses comportamentos. Diante disso, ele levantou duas questões importantes: o que é pensamento e a diferença entre simular e agir de forma autônoma. 

Para o professor Maurício, é possível converter um conjunto de operações lógicas e matemáticas em comandos para uma máquina. “Mas o pensar humano não é uma mera execução de operações”, ressalta. De acordo com ele, a inteligência humana é resultado de um conjunto de fatores, como o metabolismo e o sucesso evolutivo, além das emoções, que determinam os pensamentos e como os seres humanos pensam. 

Os professores concordaram que, cientificamente, não é possível máquinas terem sentimentos. “Sentimentos, emoções, emergem somente de sistemas orgânicos”, complementa Filicio.

Sobre a possibilidade de máquinas substituírem professores na sala de aula, tema central do painel, a questão deve ser pensada não só sob o ponto de vista da precarização do trabalho mas também sobre tecnologia como uma via para repensar as relações humanas, em especial no momento atual devido à pandemia, de acordo com Filicio.

“Uma máquina é capaz de vencer uma partida de xadrez, mas só um ser humano poderia vencer a partida e comemorar a vitória, até zombar do oponente”, exemplificou Mauricio. Para o professor, máquinas executando tarefas no lugar de seres humanos não é um problema científico e tecnológico, mas um problema mercadológico. “Nada é feito pela tecnologia, ela é apenas instrumento”, finalizou.

Acesse a gravação e confira o painel na íntegra.